Dia dos Professores: Unioeste presta homenagem aos docentes

São eles que dominam os mais complexos conteúdos e transformam o conhecimento em habilidades. São eles que nos motivam a seguir nossos sonhos e nos guiam pelo caminho da realização.

Eles ensinam, aprendem, ajudam, orientam, se adaptam, e, por meio da educação, transformam as pessoas em suas melhores versões. Neste dia 15, a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) agradece a todos os professores pelo aprendizado e por possibilitarem que o futuro seja cheio de sonhos realizados.

A Unioeste acredita que valorizar os professores é acreditar no futuro. Atualmente, a Universidade conta com 1.193 docentes, sendo 64 pós-doutores, 775 doutores, 281 mestres, 70 especialistas e 3 graduados, nos cinco campi, que atuam como alicerce, contribuindo para o crescimento da Unioeste e para a formação de milhares de alunos.

Relatos

O professor José Elias Garcia do curso de Ciências Contábeis, do campus de Cascavel, possui um mestrado e dois doutorados, está na Unioeste desde 1989 e, este ano, entrou com o processo de aposentadoria. “O diferencial de ser professor é que você não pode parar de aprender. Ser professor é ser professor 24 horas por dia. Não tem como desconectar da sala de aula”.

Com os olhos cheios de lágrimas ao falar sobre a aposentadoria, Elias diz que mesmo que tenha se preparado para esse momento, a emoção ainda bate. E apesar de concluir essa etapa, planeja continuar estudando e pesquisando, coisa que para ele “é um vício”. “Ser professor não é só jogar conteúdo. A gente acaba sendo conselheiro. Cheguei a ser padrinho de casamento de uma ex-aluna. Aí a gente vê que fez a diferença. Professor não tem que saber tudo, mas saber o caminho a ser tomado. Eu me sinto muito realizado por tudo que fiz aqui na Unioeste”.

A professora Vera Lucia Schmitt está há 21 anos no curso de Odontologia da Unioeste, e, este ano, também entrou com o processo de aposentadoria. Ela, que possui mestrado em Odontologia Dentística Restauradora e doutorado em Materiais Dentários, fez parte do processo de consolidação do curso de Odontologia na Universidade.

“Foi uma vitória não só para Unioeste, mas para todo o Paraná. É uma grande alegria ter feito parte de todo esse processo. Conviver e trabalhar num ambiente desse é muito bom, e sem dúvida, é gratificante ter participado, presenciado e convivido esses anos todos com os professores, alunos e funcionários lutando por esse mesmo fim. Acredito que é uma das grandes coisas que deixo como legado na Unioeste”, relata.

Vera Lucia diz estar preparada para a aposentadoria. “Eu lecionei a primeira turma de Odontologia e participei da formação de todas as turmas até o ano passado. Tenho muito orgulho de ser Unioeste. Eu sempre tentei fazer o meu melhor para poder contribuir e ter um bom relacionamento com todos. Foi uma experiência muito rica, tudo que eu fiz foi com muito amor, e vou levar isso no meu coração para sempre. Me sinto muito realizada. Dei aula por tantos anos, entrei com o professor Alexandre Webber sendo aluno, e hoje saio, 21 anos depois, com ele sendo reitor”.

Orgulho de ser professor

O professor e reitor da Unioeste, Alexandre Webber, fez parte da primeira turma de Odontologia, e logo após sua formação, decidiu tornar-se professor. “Eu torço para que um dia o nosso País entenda que a profissão do professor é a mais nobre de todas, porque ela forma todas as demais. Eu me orgulho muito de ser professor e falo para todos que não desistam, continuem batalhando. É fundamental a carreira do professor para a redução da desigualdade social, para a melhoria da qualidade de vida da população e para que tenhamos um mundo mais justo para todos”.

Hoje, na posição de reitor, Alexandre reafirma a grande importância desses profissionais. “Neste dia, eu gostaria de parabenizar todos os professores e professoras da nossa querida Unioeste. Sem dúvida nenhuma, o trabalho de todos construiu esta universidade. A Unioeste é fruto de um trabalho coletivo e precisamos continuar nesse trabalho na defesa e construção da nossa Universidade”.

Texto: Ana Cauneto
Sob sueprvisão de: Patrícia Bosso




Imprimir