Central de Notícias

Unioeste faz mapeamento de produção orgânica no Oeste do Paraná

Previous Next
A Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) está fazendo um mapeamento de produção orgânica no Oeste do Estado. Para isso, desenvolveu um projeto denominado Mapeamento e constituição de rede de produtores agroecológicos na faixa de fronteira do Paraná, vinculado ao curso de Ciência Sociais do Campus de Toledo. O projeto tem parceria com o Instituto Tecnológico Federal (ITF), de Assis Chateaubriand, Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA) e a empresa Biolabore, de Santa Helena, atuante na área de serviços técnicos especializados para produtos voltados ao desenvolvimento sustentável.

Sob coordenação do professor doutor Gustavo Alves, do Campus de Toledo,  o trabalho é realizado com coleta de dados em plataforma da Internet, pelo Laboratório de Estudos e Pesquisa, Estado, Fronteiras e Relações.  Segundo ele, alimentos orgânicos são aqueles  cultivados de maneira sustentável mediante a agricultura biológica (ou orgânica), isentos de produtos químicos, ou seja, de insumos artificiais.

Até a pandemia, foram cadastrados aproximadamente 50 produtores de Toledo, Entre Rios, Pato Bragado, que trabalham com hortaliças, tomates, cenoura, beterraba e queijo. A plataforma atende os produtores cadastrados e, futuramente, estará disponível para sistema de busca para consumidores e ainda tem possibilidade de transformar-se num aplicativo.

A ideia, transformada em projeto institucional no ano de 2018, permite o cadastramento do produtor, bem como sua geolocalização por GPS.  Antes da pandemia, os envolvidos no trabalho coletaram dos dados na propriedade do agricultor, ou seja, o grupo ia até a fonte de produção.

O contato é feito por meio de associações de produtores e a expectativa é expandir o trabalho para outros regiões do Estado. Segundo professor, uma rede de pessoas ligadas à área foi fundamental para o projeto sair do papel, como o CAPA (Centro de Apoio a Profissional Agroecologica).

O banco de dados do projeto tem informações detalhadas e assim vai da ponta da cadeia, os produtores, até o varejo, os consumidores, envolvendo todos os parceiros “Só fazemos cadastro mediante autorização assinada pelo produtor”, explicou o professor.

Depois de encerrada a fase de cadastro, a expectativa é ampliar o projeto e ter mais instituições parceiras, além de fazer um plano de divulgação da plataforma.  “O legal é que quando a plataforma estiver pronta, poderemos oferecer cursos, disponibilizar informações na rede”, menciona o coordenador.

Outra possiblidade é incluir no projeto um campo para informações sobre insumos e outros mecanismo  de produção de orgânico.  “Assim, o produtor poderá ser assistido. Então o nosso trabalho vai da ponta da cadeia até o final”, diz ele, ao mencionar que o mapeamento será um instrumento para produtores e também consumidores. “A ideia é abrir novas portas e fazer uma interação entre Universidade e o setor produtivo.

O CAPA surgiu quando agricultores familiares eram  expulsos do campo, pelo modelo de desenvolvimento chamado “Revolução Verde” – um pacote de modernização baseada na produção agrícola em grande escala, no uso intensivo de agrotóxicos e na mecanização, rompendo com a lógica da agricultura familiar.
Sul é líder no consumo de orgânicos.

De acordo com a edição de 2019, da pesquisa Panorama do Consumo de Orgânicos no Brasil, encomendada pelo Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), os brasileiros consomem mais produtos desta categoria em comparação com a primeira edição do levantamento, de 2017. Naquele ano, 15% das pessoas responderam que tinham consumido produtos orgânicos nos 30 dias anteriores. Neste ano, o percentual cresceu para 19%.

Por definição, um produto orgânico é aquele obtido dentro de um sistema orgânico de produção agropecuária – ou a partir de processos extrativistas sustentáveis – com a preocupação de não prejudicar o meio ambiente, não comprometer os recursos naturais e respeitar as características socioeconômicas da comunidade local, qualidade do solo e a eliminação de agrotóxico.

Segundo a pesquisa, o maior mercado consumidor é a região sul. Do total de respondentes, 23% afirmaram ter comprado produtos orgânicos nos 30 dias anteriores ao levantamento. Em 2017, o Sul também foi considerado como a região com o maior número de adeptos. A motivação principal é individual e não coletiva, já que apenas 9% citaram o meio ambiente como motivo para comprar orgânicos e 84% dos consumidores o fazem para ter uma saúde melhor. Mais informações pelo site  www.abras.com.br.

Por Mara Vitorino 

Publish modules to the "offcanvas" position.

Nós usamos cookies
Nós usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto que outros ajudam a melhorar o site e a experiência do usuário. Você pode decidir se quer permiti-los ou não. Tenha em mente que, em caso de rejeição, você não será capaz de usar todas as funcionalidades do site.