Unioeste: Pesquisa no Sudoeste constata aumento de até 16,34% na cesta básica

Previous Next
Grupo de pesquisa comprova que desta vez o óleo de soja foi o vilão que provocou a elevação dos produtos da cesta básica

A pesquisa da cesta básica realizada mensalmente pelo Grupo de Pesquisa em Economia, Agricultura e Desenvolvimento (GPEAD) do curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Campus de Francisco Beltrão,  constatou, que no mês de agosto ocorreu aumento no custo dos alimentos em algumas cidades da região Sudoeste do Estado.

A elevação mais expressiva foi na cidade Realeza, 16,34%, seguida por Dois Vizinhos, 9,14%; Francisco Beltrão, 5,01% e Pato Branco 1,65%.  Em valores nominais, o custo da cesta básica individual mais alta foi a de Francisco Beltrão, R$ 420,79, seguida por Realeza, R$ 413,38; Dois Vizinhos, R$ 410,54 e, a de menor custo, foi em Pato Branco, R$ 382,07.

Nas cidades pesquisadas pelo GPEAD, o movimento dos preços apresentou um aumento para os seguintes produtos: arroz, farinha de trigo, banana, óleo de soja, pão, leite e carne. Por outro lado, as reduções ocorrem no preço da batata e do feijão para algumas cidades. Nas cidades pesquisadas, o óleo de soja aumentou em todas, com destaque para Realeza (37,83%) e Francisco Beltrão (19,46%). A expansão da demanda interna e externa de soja aumentou a cotação do grão e seus derivados. Já o litro de leite teve ênfase para Realeza e Dois Vizinhos com aumentos de 21,18% e 10,89%, respectivamente. Com relação ao arroz parboilizado, o custo teve um acréscimo em Realeza (20,74%) e Francisco Beltrão (6,21%). O pão ficou mais caro em Realeza (12,91%) e Dois Vizinhos (0,9%). Contudo, em Francisco Beltrão, houve redução em (-4,32%); e em Pato Branco, não houve alteração.

A pesquisa ainda mostra que a farinha de trigo apresentou alta em todas as cidades do Sudoeste, com destaque para Realeza (15,29%). O motivo foi a desvalorização do real diante do dólar que culminou no aumento do alimento e dos derivados. Em relação à carne de primeira aumentou em todas as cidades, Realeza teve (11,82%) e Dois Vizinhos com (10,8%). A alta está associada a uma menor oferta de animais para abate e aumento das exportações do produto, em especial para a China.

De acordo com Jose Maria Ramos, coordenador do projeto, o estudo não apresentou apenas adições no custo da cesta, produtos como feijão preto e a batata tiveram quedas nos preços. Em Dois Vizinhos, por exemplo, o feijão preto foi o único a ter diminuição do custo (-6,52%). Nas demais houve aumento, Realeza apresentou (8,04%) e Francisco Beltrão (1,32%). A variação do preço está relacionada a importação do produto para atender a demanda interna, contudo a desvalorização cambial contribuiu para o aumento dos preços.

Referente à batata, em Francisco Beltrão e Pato Branco, apresentou queda de (-8,41%) e (-29,48%), respectivamente. Entretanto, na contramão das cidades pesquisadas, houve aumentos em Dois Vizinhos e Realeza, (6,71%) e (31,78%), respectivamente. O comportamento de redução de preços está relacionado a uma maior oferta do tubérculo.

Por Luis Gustavo



Imprimir