Huop realiza captação de rim, órgão mais esperado na fila de transplante

Previous Next

Mais uma captação de rins foi realizada no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Huop) nessa madrugada (09). O transplante desse órgão é o mais procurado e o que possui a maior lista de espera no Paraná e no país. “Existe hoje uma terapia que ajuda o paciente aguardar esse transplante, que é a hemodiálise, e isso prolonga a vida, e possibilita viver alguns anos esperando um órgão compatível. Sendo assim, é comum que a lista seja maior”, explica a coordenadora da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (Cihdott/Huop), Elaine Padilha.

Apesar de ser um órgão bastante procurado, o rim, também é o mais versátil para transplante. “Não há limite de idade para que possa ser feito a captação e por isso, a doação de rim é bem comum no hospital”, diz.  Além disso, o órgão possui um tempo maior para que possa ser transplantado. “Mesmo assim, quanto mais rápido for realizado maior a chance de sucesso”, afirma Elaine.

A doação dos rins nessa madrugada foi autorizada pela família de Zulmira Caires Mattos, de 75 anos. Ela ficou internada no Huop desde o dia 05/07, quando no dia 08/07 foi confirmada a morte encefálica. A família foi acompanhada pela comissão de doação de órgãos e foi sensibilizada da importância da doação. “É importante ressaltar que nesse momento da pandemia da Covid-19, respeitamos todos os protocolos de segurança. O paciente é submetido ao exame, o RT PCR, que comprova se há contato ou não com o vírus. Ou seja, não existe risco, e a doação dos órgãos continua sendo essencial para salvar vidas”, ressalta Elaine. “Nós da comissão sempre nos emocionamos com as doações, e com o fato de que mesmo diante do luto, as famílias são capazes de realizar um ato tão nobre de doação e generosidade ao próximo. Isso nos dá ânimo para seguir com nosso trabalho”, finaliza a enfermeira da comissão de transplantes, Gelena Versa.



Acessos: 173
Imprimir