Histórico do Campus

EX-DIRETORES DA FECIVEL/UNIOESTE CAMPUS DE CASCAVEL
FECIVEL
JamilLourenço 1
Jamil Lourenço
18/05/1972 a 08/07/1974
EdisonPietrobelli 1
Edison Pietrobelli
09/07/1974 a 21/07/1978
LuizGonzaga 1
Luiz Gonzaga de Andrade
22/07/1978 a 21/07/1982
AriCarlos 1
Ari Carlos Cantele
22/07/1982 a 21/07/1986
JoseKuiava 1
José Kuiava
22/07/1986 a 11/08/1988
CarlosRoberto 1
Carlos Roberto Calssavara
12/08/1988 a 19/12/1990
CarlosRoberto 1
Eurides Rossetto
20/12/1990 a 30/08/1993
PauloRoberto 1
Paulo Roberto Chavarria Nogueira
01/09/1993 a 10/05/1994
SebastiaoGazola 1
Sebastião Gazola
11/05/1994 a 31/12/1995
UNIOESTE
PauloSergioWolff1 1
Paulo Sérgio Wolff
21/12/1995 a 22/12/1999
PauloSergioWolff2 1
Paulo Sérgio Wolff
01/01/2000 a 31/12/2003
GilmarHenrique 1
Gilmar Henrique da Conceição
20/09/2001 a 24/01/2002
AlfredoPetrawski 1
Alfredo Petrauski
01/01/2004 a 31/12/2007
PauloSergioWolff3 1
Paulo Sérgio Wolff
07/01/2008 a 06/01/2012
AlexandreWebber1 1
Alexandre de Almeida Webber
01/01/2012 a 31/12/2015
AlexandreWebber2 1
Alexandre de Almeida Webber
01/01/2016 a 31/12/2019
AnibalMantovani 1
Anibal Mantovani Diniz
01/01/2020 a 31/12/2023

 

16 DE AGOSTO – RESGATE HISTÓRICO – MEMÓRIA: FECIVEL – HOJE CAMPUS DE CASCAVEL DA UNIOESTE

O movimento em prol do ensino superior no Oeste do Paraná teve seu início na cidade de Cascavel, ainda no final da década de 60 e início dos anos 70. Esse movimento ocorreu, inicialmente, para atender aos anseios da população de Cascavel e região em decorrência da necessidade de formar docentes para a rede de escolas municipais e estaduais, e pelo fato de que os egressos do segundo grau que desejavam prosseguir estudos tinham que buscá-lo na capital do Estado ou em outras regiões do Estado e até mesmo fora do Estado do Paraná. O principal argumento da sociedade se prendia ao fato de que era muito oneroso para os pais os custos de um filho fora de casa, principalmente aqueles que não dispunham de condições econômicas para a sua permanência em outros centros, ficando cerceados ao direito a uma graduação, sem considerar, ainda, que muitas vezes estes jovens, após formado, não retornavam à sua cidade de origem.

Para atender a essa reivindicação da população de Cascavel e região, a Câmara Municipal de Cascavel, autorizou o Poder Executivo Municipal a instituir uma Fundação, sob a denominação de Fundação Universidade Oeste do Paraná – FUOP, que por meio da Lei Municipal nº 885/71, de 27 de outubro de 1971 e do Decreto Municipal nº 356/71, de 03 de novembro de 1971, foi aprovado o Estatuto da Fundação destinado a instalar uma Escola de Ensino Superior em Cascavel.

A elaboração do projeto para a implantação dos quatro primeiros cursos de Licenciatura para a futura Faculdade em Cascavel, esteve sob a responsabilidade de um grupo de professores da rede pública estadual e de outros segmentos da sociedade de Cascavel, que conheciam muito bem a realidade de nossa cidade e da região Oeste do Paraná.

O argumento mais forte pela elaboração do projeto de uma Faculdade e seus primeiros cursos, se deu devido a expansão da rede de ensino básico, decorrente da Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB nº 5.692/71, de 11/08/1971, culminando com o franco desenvolvimento da região Oeste do Paraná, onde havia uma extrema necessidade de professores habilitados e qualificados para atuarem no ensino de primeiro e de segundo grau.

Assim, a implantação dos primeiros cursos superiores no Oeste do Paraná ocorreu com a autorização de funcionamento de uma Instituição de Ensino Superior em Cascavel, denominada de Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cascavel – FECIVEL, mantida pelo Poder Público Municipal de Cascavel, que concomitantemente, pelo Decreto Federal nº 70.521, de 15 de maio de 1972, o Presidente da República autorizou os cursos de Licenciatura em Letras, com habilitação em Português e Inglês e Português e Francês; Licenciatura em Pedagogia com Habilitação em Administração Escolar, Orientação Educacional e Magistério das Disciplinas Pedagógicas do Segundo Grau; Licenciatura em Ciências de Primeiro Grau e Licenciatura em Matemática.

Como primeiros gestores da FECIVEL, foram nomeados pelo Poder Público Municipal, o Dr. Jamil Lourenço como Diretor e a Sra. Tania Mari Lancini como Secretária.

Os trabalhos da Faculdade tiveram início com instalação de uma Secretaria Provisória junto à Câmara Municipal de Cascavel, onde neste espaço se realizavam os atos iniciais e oficiais para a instalação da Faculdade, tais como inscrição para o Vestibular, inscrição para contratação de docentes e outras atividades e, assim, esta Secretaria era um ponto de referência, onde a população interessada deveria se dirigir para buscar informações acerca da Faculdade e dos cursos superiores que estavam sendo implantados.

As inscrições para o 1º Vestibular da FECIVEL foram realizadas no período de 01 a 15 de julho de 1972, na Secretaria Provisória, sendo que as provas do Vestibular ocorreram na sequência, ainda no mês de julho, nos dias: 27 – Português, 28 – Matemática, História, Biologia e Geografia, 29 – Francês e Inglês e 30 – Física e Química. O Concurso Vestibular foi realizado na Associação Atlética Comercial (Clube Comercial), no Bairro Coqueiral e para propiciar o deslocamento dos inscritos até o local das provas, a Instituição colocou à disposição dos candidatos ônibus especiais gratuitos, em todos os dias do Vestibular, com saídas diárias de frente a Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida até o Clube Comercial, sempre às 8:00 horas da manhã, visto às dificuldades de transporte coletivo para aquela localidade.

Importante também ressaltar que a matrícula dos aprovados no primeiro Vestibular para os cursos de Ciências do 1º grau, Letras – Inglês e francês, Matemática e Pedagogia ocorreram nos dias 7, 8 e 9 de agosto de 1972 e os primeiros lugares na classificação geral do Vestibular pertenceram a: 1º lugar – Joanita Nunes Picolotto (90); 2º lugar – Regina Maria Loures Bueno (86) e 3º lugar – Waldir Antonio Webber (85), sendo que os três candidatos se inscreveram para cursar Letras – Inglês.

O Ensino Superior em Cascavel, entrou em funcionamento em 16 de agosto de 1972, ocasião em que o Governador do Estado do Paraná, o professor Pedro Viriato Parigot de Souza, proferiu a aula inaugural nas dependências do “Cine Delfim”, atual sede da Igreja Universal na Avenida Brasil esquina com a Rua 7 de Setembro – Centro. A partir do dia seguinte, isto é, no dia 17 de agosto de 1972 as aulas passaram a ser ministradas no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, sede inicial da FECIVEL e dos quatro primeiros cursos, até a data da transferência para a sede oficial, situada no Jardim Universitário, hoje Campus de Cascavel, que ocorreu no dia 08 de janeiro de 1973.

Simultaneamente, no período em que ocorreu o primeiro Vestibular foram tomadas as providências para o provimento e a contratação dos primeiros docentes da FECIVEL, para o cargo de “Professor Auxiliar de Ensino”, fato este, em que a seleção dos professores ocorreu no dia 29 de julho de 1972, nas dependências do Plenário da Câmara Municipal de Cascavel, na Rua Paraná, com início às 20:00 horas, por uma Comissão composta por: Moacir Fantini – Superintendente do Ensino Superior do Paraná da extinta Delegacia do MEC no PR; Dr. Albino de Brito Freire – Assessor Jurídico do Conselho Estadual de Educação do PR; Maria Lúcia Natel Freire, Dr. Jamil Lourenço e Tania Mari Lancini. Por ser um “Concurso de Títulos” esta Comissão procedeu à análise da documentação, apresentada pelos professores interessados e inscritos e daqueles que estavam indicados no processo de autorização dos cursos com parecer favorável do Conselho Federal de Educação.

Assim, os professores classificados, por edital da Direção, tinham um prazo para a confirmação do aceite da vaga, bem como, pela entrega do seu Plano de Curso e assinatura do Contrato de Trabalho com a mantenedora que na época era a FUOP.

Os professores classificados foram os seguintes: Alcides Bonatto; Antonio Ribeiro dos Santos; Attilio Ortigara; Bertolino Tenfem; Elmir Alves Rutkowski; Elisabete Piccineli; Edison Pietrobelli; Henrique Carrer; Iolanda Maria Kopp Webber; João Martinho Meira; Jamil Lourenço; José Carlos Guiotti; José Maria Manso Vieira; Joel de Lócco; Juraci de Moraes Bueno; Leila de Almeida de Lócco; Leonhard Ohnesorge; Luiz Albino Broetto; Luiz Antonio Bruscatto; Marcos Claudio Schuster; Mabel Paiva Marques da Silva; Maria José Faria; Maria José Mendes; Neusa Martins Lombardi; Orley Cabrine; Otavio Antonio Antoniassi; Ovídio Putrich; Pedro João Miotto; Silvia Gomes Vieira Fabro; Telemaco Ceriolli; Vitória Leda B. Formighieri.

Pelos registros encontrados em arquivos, no livro ponto e documentação os primeiros docentes da FECIVEL, considerados como professores fundadores e contratados pela FUOP foram:

 

DIRIGENTES:

NOME

FUNÇÃO

ADMISSÃO

01

Dr. Jamil Lourenço

Diretor

15/05/1972

02

Tania Maria Lancini

Secretária

16/05/1972

 

PROFESSORES:

NOME

FUNÇÃO

ADMISSÃO

01

Antonio Ribeiro dos Santos

Professor

08/08/1972

02

Attílio Ortigara

Professor

08/08/1972

03

Bertolino Tenfen

Professor

08/08/1972

04

Edison Pietrobelli

Professor

08/08/1972

05

Elizabete Piccinelli

Professor

08/08/1972

06

Elmir Alves Rutkowski

Professor

08/08/1972

07

Henrique Carrer

Professor

08/08/1972

08

Jamil Lourenço

Professor

15/05/1972

09

João Martinho Meira

Professor

08/08/1972

10

José Carlos Guiotti

Professor

08/08/1972

11

José Maria Manso Vieira

Professor

08/08/1972

12

Leila de Almeida Locco

Professor

08/08/1972

13

Luiz Albino Broetto

Professor

08/08/1972

14

Maria José Faria

Professor

08/08/1972

15

Maria José Mendes

Professor

08/08/1972

16

Neusa Martins Lombardi

Professor

08/08/1972

17

Orllei Cabrine

Professor

08/08/1972

18

Otávio Antonio Antoniassi

Professor

08/08/1972

19

Silvia Gomes Vieira

Professor

08/08/1972

20

Tania Maria Lancini

Professor

16/05/1972

21

Telemaco Ceriolli

Professor

08/08/1972

22

Vitória Leda Brancher Formighieri

Professor

08/08/1972

 

FUNCIONÁRIOS INICIAIS:

NOME

FUNÇÃO

ADMISSÃO

01

Blanca da Paz Jorge

Aux.Secretaria

08/08/1972

02

Rosa Maria Raizer

Secretária

08/08/1972

 

FUNCIONÁRIOS NA SEQUÊNCIA:

NOME

FUNÇÃO

ADMISSÃO

01

Anailda Ferreira Santana

Zeladora

01/06/1973

02

Anedir Nunes Santana

Zeladora

01/03/1973

03

Elena G. Dal’maso

Aux.Biblioteca

01/06/1973

04

Guilhermina Cavalheiro Henz

Zeladora

01/11/1973

05

Jacira Souza da Silva

Zeladora

01/04/1973

06

Lídia de Lourdes Machniervicz Knapik

Datilógrafa

10/03/1973

07

Lurdes Ines Brugim

Aux. Geral

09/11/1972

08

Tania Maria Lancini Schuster

Secretária

20/11/1973

09

Zelinda Carina Denti

Zeladora

01/03/1973

 

A Biblioteca da FECIVEL foi constituída e instalada, ainda, quando da implantação dos primeiros cursos que além da aquisição de um acervo considerável de livros adquiridos pela Prefeitura Municipal de Cascavel, recebeu muitas doações da comunidade de Cascavel, sendo que o primeiro Diretor da Biblioteca foi o Prof. José Maria Manso Vieira e somente designado em 03 de janeiro de 1973.

O Estatuto, o Regimento Geral da Faculdade, a estrutura organizacional e os projetos dos cursos, quando de sua implantação em 1972, foram concebidos com base na Lei Federal nº 5.540, de 28/11/1968, tendo como colegiado máximo a “Congregação” e o “Conselho Departamental”, sendo que os cursos eram, inicialmente, administrados pelos Departamentos. Assim, em 13 de novembro de 1972, foram implantados os primeiros Departamentos da FECIVEL, tendo estes a incumbência da coordenação administrativa e pedagógica dos cursos implantados. Assim, os Departamentos implantados foram os seguintes: Departamento de Ciências, tendo como chefe o prof. Telêmaco Ceriolli; Departamento de Educação, tendo como chefe a profª Leila de Almeida de Locco; Departamento de Letras, tendo como chefe o prof. Attilio Ortigara e o Departamento de Matemática, tendo como chefe o prof. José Carlos Guiotti, sendo que o trabalho era voluntário, pois não recebiam nenhuma remuneração para exercer o cargo de Chefe de Departamento.

Na grande maioria, o corpo docente recém contratado pela Faculdade tinha apenas o curso de graduação e, nesse sentido, fez-se necessário oferecer cursos de aperfeiçoamento e de especialização aos professores. Assim, o primeiro Curso de Aperfeiçoamento foi realizado para os professores do curso de Letras, no período de 12 a 17 de fevereiro de 1973, em Curitiba, ministrado por docentes da Universidade Federal do Paraná.

Posteriormente, a Direção da Faculdade, proporcionou a todos os professores um curso de Aperfeiçoamento sobre o “Problema de Metodologia do Ensino Superior”,  aqui na cidade de Cascavel, ministrado no período de 01 a 09 de setembro de 1973, e com estudos paralelos  para completar uma carga horária de 100 horas, ministrados também por docentes da Universidade Federal do Paraná, a saber: Angelo Virginio Visintin; Archimedes Peres Maranhão; Nilcéia Maria Faria de Siqueira Pedra; Maria das Dores Wouk e Rejane de Medeiros Cervi.

O primeiro Curso de Especialização ofertado pela FECIVEL foi denominado de “Médico do Trabalho” e “Engenheiro de Segurança”, realizado no período de agosto de 1978 a março de 1979, em convênio com a UFPR e a FUNDACENTRO, com carga horária de 360 horas.

A FECIVEL, apesar de ser mantida pelo Poder Público Municipal que colaborou significativamente na construção de sua sede, na implantação de laboratórios, na aquisição de livros e muitas vezes efetuando o pagamento do seu corpo docente e administrativo, necessitava de recursos para a manutenção de uma série de atividades acadêmicas e administrativas, além da manutenção estrutural. Assim, era cobrado dos alunos uma mensalidade para fortalecer seu caixa para as diversas despesas necessárias na implantação e manutenção dos cursos de graduação. Com isso, foi necessário implantar uma Tesouraria para cuidar deste movimento financeiro e até mesmo da contabilidade da Faculdade. Em razão disto, em 11 de julho de 1974, foi criada a Tesouraria da Faculdade, sendo nomeada como tesoureira a Sra. Rosângela Tereza Teixeira. A cobrança de mensalidades significou muita, na época, para a manutenção da FECIVEL. Anualmente, eram concedidas “bolsas de estudos” a acadêmicos com dificuldades financeiras até que no processo de estadualização em 1985 foi decretada a gratuidade pelo Governo do Estado e os custos de manutenção da Faculdade, a partir de então, passaram a ser custeados pelo Governo do Estado. 

Em 1974, ocorreu uma alteração da nomenclatura da Faculdade e de sua mantenedora, que pela Lei Municipal nº 1.088/74, de 20 de junho de 1974, e pelo Decreto Municipal nº 679/74, de 25 de junho de 1974, instituiu a Fundação Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Cascavel, para manter a Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Cascavel – FECIVEL, resultante da transformação da FUOP, criada para manter a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cascavel. Fato relevante e importante ocorreu no dia 16 de agosto de 1976 , a colação de grau da primeira turma da FECIVEL, na Catedral Metropolitana de Cascavel, com a presença do Ministro da Educação, Ney Aminthas de Barros Braga, onde este fez anúncio do Parecer Favorável do MEC pelo reconhecimento dos cursos, fato este que concretizou os anseios de muitos habitantes do Oeste do Paraná.

O reconhecimento dos primeiros cursos da FECIVEL, ocorreu no primeiro semestre de 1976, na seguinte ordem: Licenciatura em Letras, pelo Decreto Federal nº 77.173, de 13 de fevereiro de 1976; Licenciatura em Pedagogia, pelo Decreto Federal nº 73.308, de 17 de março de 1976; Licenciatura em Matemática, pelo Decreto Federal   nº 77.423, de 12 de abril de 1976; e a Licenciatura em Ciências do Primeiro Grau, pelo Decreto Federal nº 77.575, de 11 de maio de 1976.

Logo após a formatura e o reconhecimento dos primeiros cursos da FECIVEL, iniciou uma investidura para a implantação de novos cursos superiores. Dos projetos elaborados, foram implantados e reconhecidos os cursos de:

a) Administração e Ciências Contábeis autorizados pelo Decreto Federal nº 77.961,de 06/07/1976 e reconhecidos pelo Decreto Federal nº 83.325, de 16/04/1979;

b) Enfermagem e Obstetrícia (L/B) autorizado pelo Decreto Federal nº 82.600, de 07/11/1978 e reconhecido pela Portaria do MEC nº 351, de 13/08/1984;

c) Engenharia Agrícola autorizado pelo Decreto Federal nº 83.760, de 23/07/1979 e reconhecido pela Portaria do MEC nº 271, de 27/06/1983;

d) Ciências Econômicas autorizado pelo Decreto Federal nº 85.141, de 15/09/1980 e reconhecido pela Portaria do MEC nº 271, de 27/06/1983.

Os cursos de Ciências e de Matemática, por força das Resoluções 30/74 e 37/75 do Conselho Federal de Educação, configurado pelo Parecer do MEC/SESu nº 7.607/78, de 11 de dezembro de 1978, sofreu uma alteração onde se procedeu uma conversão dos cursos em um único curso de Ciências, com dois planos de estudos: a Licenciatura de Primeiro Grau (Ciências) e a Licenciatura Plena – com Habilitação em Matemática. Esta conversão foi aprovada pelo Decreto Federal nº 83.182, em 15 de fevereiro de 1979.

Em 1985, a Direção da FECIVEL, encaminha ao Conselho Estadual de Educação, pedido de reativação do Curso de Licenciatura em Matemática, originalmente implantado em 1972, sendo que o egrégio Conselho deliberou que a solicitação deveria ser entendida como um pedido de uma nova conversão do curso, e não como uma reativação, uma vez que não existiu o ato oficial de desativação. Assim, o Conselho Estadual de Educação expediu Parecer onde o Curso de Ciências com Habilitação em Matemática deveria ser convertido em Curso de Matemática – Licenciatura Plena. Porém, o Ministério de Educação ao emitir o Ato Legal, entendeu que se tratava da conversão da Habilitação de Matemática do Curso de Ciências em um Curso de Matemática – Licenciatura Plena, em regime de autorização, necessitando posteriormente, proceder a seu reconhecimento.

Em 09 de setembro de 1992, a direção da FECIVEL encaminha ao Conselho Estadual de Educação documentação exigida para reconhecimento do Curso de Matemática – Licenciatura Plena. Assim, em 09 de outubro de 1992, e cumpridas as exigências foi expedido parecer favorável para o reconhecimento do Curso de Matemática – Licenciatura Plena e o curso foi reconhecido em 15 de outubro de 1993.

Com relação ao Curso de Ciências no mesmo período em ocorreu a conversão da habilitação em Matemática em Curso de Matemática, sentiu a necessidade de ampliar o projeto, ofertando a habilitação em Biologia, em função da necessidade de formar professores para o ensino médio, até se implantar o Curso de Ciências Biológicas. Neste sentido, a direção da FECIVEL encaminha proposta ao Conselho Estadual de Educação solicitando esta ampliação que culminou com o Parecer nº 260/92, de 09/10/1992 do Conselho Estadual de Educação, favorável ao: reconhecimento da habilitação plena em Biologia do Curso de Ciências de 1º grau e, autorizando o funcionamento do Curso de Ciências Biológicas ( L/B). Assim, o MEC emite a Portaria nº 15, de 06/01/1994 reconhecendo a habilitação em Biologia do Curso de Ciências do 1º grau e extingue, gradativamente, o Curso de Ciências do 1º grau.

Pela Resolução nº 009/95 do COU, de 14/02/1995 é criado o Curso de Ciências Biológicas (B/L), e pelo Parecer nº 466/98, o Conselho Estadual de Educação emite parecer favorável para o reconhecimento do curso, ocorrendo o reconhecimento pelo Decreto Estadual nº 297, de 12/02/1999.

Em razão dos diversos cursos de gradação em funcionamento foi necessário implantar Coordenações Pedagógicas para dar orientação didática e pedagógica a estes cursos, uma vez que os Departamentos existentes cuidavam dos aspectos administrativos. Assim, surgiram as primeiras Coordenadorias dos Cursos, por área de conhecimento, e foram implantadas por decisão do “Conselho Departamental”, em 22 de julho de 1982, com a seguinte constituição: Cursos da área da Educação (Letras – Pedagogia e Ciências), tendo coordenadora a profª Zélia Josefa Muraro Miotto; Cursos da área de Ciências Agrárias (Engenharia Agrícola), tendo como coordenador o prof. Carlos Roberto Calssavara; Cursos da área de Ciências Sociais e Aplicadas (Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas), tendo como coordenador o prof. Jaime Fabro e Cursos da área da Saúde ( Enfermagem), tendo como coordenadora a profª Mariko Koga.

Logo no início das atividades acadêmicas, os estudantes da FECIVEL, fundaram o Diretório Acadêmico 16 de Agosto, conhecido como “DADA”, como órgão de representação estudantil, funcionando até o mês de setembro de 1981. Motivado pela Lei Federal nº 6.680/79 e com base no Decreto Federal nº 84.035/79, o Diretório Acadêmico foi extinto em 1º de outubro de 1981. Para tanto, para a organização e implantação do Diretório Central dos Estudantes e dos Centros Acadêmicos, foi constituída , em 20 de outubro de 1981, uma Comissão Transitória composta pelos acadêmicos: Amélio Luiz Faggion; Jane Mary Turcatel Alves; João Carlos Pedrolli; José Roberto Sartori; Luizinho Perin e Maria Francisca Vilas Boas Leffer . Assim, esta Comissão esteve à frente do movimento estudantil neste período de aproximadamente trinta dias, com a incumbência de organizar as eleições e dar posse à primeira Diretoria do DCE, que ocorreu em 30 de outubro de 1981, sendo que este modelo segue até os dias atuais.

Em fevereiro de 1982, numa reunião realizada pelo Conselho Estadual de Educação do Paraná, com o corpo diretivo da FECIVEL e os diretórios acadêmicos, decidiu pela criação da Universidade do Oeste, mas algumas lideranças bairristas de Cascavel reagiram ao projeto multi campi pela participação das Faculdades da Região Oeste, e se optou pela proposta de transformar a FECIVEL em “Universidade Municipal de Cascavel”, projeto este aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, mas não homologado pelo MEC.

Em 1984, as lideranças de Cascavel articularam pela federalização da FECIVEL e uma caravana foi à Brasília para reclamar as providências, mas não se conseguiu êxito. Desta feita, recorreu-se novamente ao Governo do Estado, para pedir a estadualização das quatro faculdades do Oeste: FECIVEL (Cascavel); FACITOL (Toledo); FACIMAR (Marechal Cândido Rondon) e FACISA (Foz do Iguaçu), pela união regional de esforços políticos.

Entre reuniões que ocorreram tanto em Guaraniaçu, realizadas pela Associação Educacional do Oeste do Paraná – ASSOESTE e Associação dos Municípios do Oeste do Paraná – AMOP, quanto na Assembleia Legislativa do Paraná, com o projeto de estadualização articulada pelo Deputado Estadual Edgar Ribeiro Pimentel, e outras reuniões realizadas em fevereiro e março de 1985, estas últimas de abrangência regional, somente em abril de 1985, o projeto tomou corpo quando o Departamento de Assuntos Universitários – DAU, nesta época vinculado à Secretaria de Estado da Educação, no Governo José Richa, aderiram à proposta da estadualização. Nesse período, o Governador José Richa estava muito empenhado  pela federalização da pretensa Universidade, estimulando uma caravana de aproximadamente 500 integrantes se deslocarem até Brasília para exigir a Universidade Federal do Oeste. Caso não ocorresse a federalização, ele se comprometeu com as lideranças do oeste  na estadualização destas Faculdades municipais que comporiam a futura Universidade.

No final de 1986, por ocasião da inauguração de importante obra em Cascavel e estando licenciado do cargo de governador para concorrer a uma vaga ao Senado da República, José Richa, esteve presente nas festividades e foi fortemente cobrado pela comunidade em geral. Neste ato de inauguração de obras, os estudantes protestavam com faixas, cartazes, panfletos e uma carta foi distribuída para todos os presentes, inclusive para o governador licenciado, que ficou muito irritado e pressionou o vice-governador João Elisio Ferraz de Campos, no exercício do cargo de Governador do Estado, para que enviasse urgentemente o projeto da estadualização para votação na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná.

Esse fato ocorreu num sábado e na terça feira da semana seguinte o projeto já estava sendo votado pelos Deputados. A comunidade do Oeste do Paraná se fez presente lotando a Assembleia Legislativa, mas o governador em exercício, no entanto, não assinou a estadualização, deixando para o próximo governador do Estado as providências, o que ocorreu no governo de Álvaro Dias.

Assim, com o projeto de federalização frustrado, no dia 08 de maio de 1986, foi celebrado um convênio entre o Governo do Estado e os municípios sedes das faculdades municipais, estabelecendo mecanismos e compromissos mútuos para viabilizar a estadualização.

No mês de janeiro de 1987, quando o governador Álvaro Dias esteve em Cascavel  sancionou a Lei nº 8.464 de 15/01/1987, onde a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná autorizava o Poder Executivo a instituir a Fundação Federação Estadual de Instituições de Ensino Superior do Oeste do Paraná – UNIOESTE, para reunir e integrar, juridicamente, as quatro Faculdades do Oeste do Paraná, na época conhecidas como FECIVEL, FACISA, FACIMAR e FACITOL.

Pelo Decreto Estadual nº 399, de 27/04/1987, ficou instituída a Fundação Federação Estadual de Instituições de Ensino Superior do Oeste do Paraná e as quatro Faculdades passaram a pertencer, oficialmente, ao Sistema Estadual de Ensino como estabelecimentos isolados de ensino de superior. Ao ser instituída a Fundação as dotações orçamentárias passaram a ser consignadas no Orçamento do Estado do Paraná, além de que, ainda, as Faculdades continuavam receber subvenções federais e municipais e de outras origens para a sua manutenção. Para concretizar os atos de instituição e instalação da Fundação foi nomeada uma Comissão composta por Milano Adolfo Scheidt, Eloi Lomann, Flávio Vendelino Scherer, José Kuiava, Wadis Vitório Benvenutti e Zeferino Perin, até a nomeação pelo Governador do Estado, o Presidente e o Vice-Presidente da Fundação.

Posteriormente, pela Lei nº 8.680, de 30/12/1987, a Assembleia Legislativa autoriza o poder executivo a instalar a Fundação Universidade Estadual do Oeste do Paraná, mediante a transformação da Fundação Federação Estadual de Instituições de Ensino Superior do Oeste do Paraná, para manutenção da quatro Faculdades e com o objetivo de desenvolver, de imediato, o processo necessário para a criação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Desta forma, o governo do Estado, pelo Decreto nº 2.352, de 27/01/1987 institui a Fundação Universidade Estadual do Oeste do Paraná – FUNIOESTE e constitui a Comissão de Implantação para representar o Estado nos atos de instituição e instalação dos atos oficiais, composta por: José Kuiava, Milano Adolfo Scheidt, Carlos Roberto Calssavara, Flavio Vendelino Scherer, Celso Almiro Hoffmann, Zeferino Perin, Franco Sereni e Lai José Bersch. Ato importante nesse momento, foram as providências com a doação dos patrimônios das quatro Faculdades Municipais ao Estado do Paraná, pelas Câmaras Municipais de cada um dos municípios sede das Faculdades.

Assim, o projeto político saía do papel e passava de fato a existir a Fundação Universidade do Oeste do Paraná – FUNIOESTE, que manteria até o reconhecimento da Universidade as quatro Faculdades Municipais.

Finalmente, em fevereiro de 1992, o Governo do Estado transformou a FUNIOESTE em Autarquia e, assim, estava definitivamente criada e implantada a Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, bastando apenas o reconhecimento pelo Ministério da Educação.

O Parecer nº 137/94, de 05/08/1994, deliberado pelo Conselho Estadual de Educação que concedeu parecer favorável ao reconhecimento da UNIOESTE, tratou da adequação de todas as vagas autorizadas na FECIVEL, FACITOL, FACIMAR, e FACISA, para 40 vagas por curso ofertado, mesmo quando o curso estava duplicado em um ou outro campus.

Este mesmo Parecer (nº137/94) além de readequar o número de vagas dos cursos existentes no âmbito da UNIOESTE, tratou do Plano de Expansão de novos cursos de graduação, estabelecendo a condição de que a cada curso implantado apresentasse a existência das condições materiais (salas de aulas, laboratórios, acervo bibliográfico) e de recursos humanos qualificados, a fim de que os discentes da UNIOESTE tivessem um ensino de qualidade.

Especificamente o Campus de Cascavel da UNIOESTE foi contemplado com os cursos de: Engenharia Civil, Farmácia, Fisioterapia, Odontologia e Medicina. O curso de Informática (atualmente – Ciência da Computação) foi implantado no período transitório de Faculdade Estadual para Universidade, isto é, em 1993.

Com a visita do Ministro da Educação e Cultura, professor Murílio de Avellar Hingel, em Cascavel, no dia 23 de dezembro de 1994, a UNIOESTE foi reconhecida como Universidade, por ato solene realizado no auditório Arnaldo Busato, no Centro Universitário de Cascavel, hoje denominado de Campus de Cascavel.

 

Pesquisa realizada pelo prof. Carlos Roberto Calssavara em 18 de abril de 2017.

Publish modules to the "offcanvas" position.

Nós usamos cookies
Nós usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto que outros ajudam a melhorar o site e a experiência do usuário. Você pode decidir se quer permiti-los ou não. Tenha em mente que, em caso de rejeição, você não será capaz de usar todas as funcionalidades do site.