LIGADURA TUBÁRIA

Método: Procedimento cirúrgico de caráter voluntário para término permanente da fertilidade em mulheres. Feito por Minilaparotomia (intervalo ou pós-parto) ou laparoscopia (somente intervalo).

Mecanismos de ação: Bloqueia as trompas de falópio (pela secção, cauterização, anéis ou clips). O espermatozóide é impedido de chegar ao óvulo.

Vantagens: Altamente eficaz (taxa de gravidez 0,2 a 1 por 100 mulheres durante o primeiro ano de uso); eficaz imediatamente; permanente; cirurgia simples geralmente sob anestesia local; sem efeitos colaterais a longo prazo; não interfere com as relações sexuais ou função sexual (sem efeito na produção de hormônios pelos ovários).

Desvantagens: Pode se arrepender mais tarde (a reversão requer cirurgia complexa, é cara e freqüentemente com disponibilidade limitada); riscos e efeitos colaterais da cirurgia; alto custo inicial (mais do que para vasectomia); dor/desconforto de curta duração após procedimento; requer provedor treinado; Sem proteção para DST/AIDS.

voltar

 

 

 

 

 


VASECTOMIA

 

Método: Método cirúrgico que encerra permanentemente a fertilidade em homens.

Mecanismos de ação: Pelo bloqueio dos condutos deferentes (ducto ejaculatório) impede a presença de espermatozóide na ejaculação.

Vantagens: Altamente eficaz (taxa de gravidez 0,15 a 1 por 100 mulheres durante o primeiro ano de uso); permanente; pequena cirurgia realizada sob anestesia local; menor risco cirúrgico do que a esterilização feminina; sem efeitos colaterais a longo prazo; não interfere com as relações sexuais ou função sexual (sem efeito na produção de hormônios ou espermatozóides pelos testículos).

Desvantagens: Pode se arrepender mais tarde (a reversão requer cirurgia especial, é cara e freqüentemente com disponibilidade limitada); não é imediatamente efetivo (requer tempo e até 20 ejaculações) riscos e efeitos colaterais da pequena cirurgia; dor/desconforto de curta duração após procedimento; requer provedor treinado; Sem proteção para DST/AIDS.

voltar

 

 

 

 

 

 


DIU

Método: Pequeno dispositivo flexível inserido na cavidade uterina. Os tipos mais recentes são feitos de plásticos e contêm medicação (liberam lentamente pequenas quantidades de cobre ou progestágeno).

Mecanismos de ação:

  • Interfere com a capacidade do esperma de passar pela cavidade uterina (DIU´s que liberam cobre)
  • Interfere com o processo reprodutivo antes do ovo chegar à cavidade uterina
  • Espessamento do muco cervical (DIU que libera progestágeno)
  • Altera a camada endometrial (DIU que libera progestágeno)

Vantagens: Altamente eficaz (taxa de gravidez 0,5-1,0 por 100 mulheres durante o primeiro ano de uso do T de cobre 380A); não dependente da usuária; eficaz imediatamente; proteção a longo prazo (até 10 anos com o DIU T de Cobre 380A); volta imediata da fertilidade na remoção; poucos efeitos colaterais relacionados ao método; Não interferem nas relações sexuais; Não afetam a amamentação; necessidade de somente uma visita de seguimento; baratos (os que liberam cobre); redução de cólicas menstruais(os que liberam progestágeno).

Desvantagens: Necessidade de exame pélvico e avaliação para saber se há infecção no trato genital (ITG), recomendada antes da inserção; podem aumentar o risco de DIP e subseqüente infertilidade para as mulheres com risco de ITG e outras DST (p. ex., HBV, HIV/AIDS); requer pequeno procedimento para inserção e remoção realizados por provedor treinado; A mulher não pode descontinuar no momento que desejar (depende do provedor); aumento de sangramento menstrual e cólicas durante os meses iniciais.

voltar

 

 

 

 

 

 


PÍLULAS

 

As pílulas anticoncepcionais são comprimidos feitos com substâncias químicas semelhantes aos hormônios encontrados no corpo da mulher. Elas impedem a ovulação, evitando assim, a gravidez. Deve-se tomar um comprimido por dia, de preferência na mesma hora. Não se deve comprar pílulas sem receita médica. A pílula que serve para uma amiga, pode ser perigosa para sua saúde.

Elas têm a vantagem de regular o ciclo, de reduzir o fluxo menstrual e as cólicas. É indicada no tratamento de cistos ovarianos, e as do tipo trifásico possuem dosagem gradual. Um dos poucos problemas é que entre 5% e 10% das mulheres têm efeitos colaterais (náuseas, retenção de líquido e manchas na pele). É indicado para mulheres com boa adaptação e nos casos de ovário policístico (problema causado por distúrbios hormonais que provocam o aparecimento de cistos). Não recomendável a mulheres fumantes com mais de 35 anos, para quem tem diabetes grave, para quem está amamentando, com menos de 16 anos, com pressão altas e outras doenças cardíacas como varizes e as que já tomaram pílulas por 5 anos (mesmo que não tenha sido seguidos). Se usada corretamente, sua eficácia é de 99,1% a 99.7%.

Como se usa a pílula: Existem diferentes tipos de pílulas; só o médico pode avaliar corretamente as mulheres que podem e as que não podem usar este método, e qual o tipo adequado para cada mulher; para isso, ela deve fazer um exame clínico e ginecológico completo (inclusive medir a pressão e fazer o preventivo de câncer); cada tipo de pílula tem uma maneira correta de se tomar. A pílula só faz efeito se tomar corretamente; as pílulas mais comumente receitadas são as que vêm em cartelas de 21 comprimidos; para começar a usá-las, tome o 1º comprimido 4 dias após o dia em que a menstruação começou a descer; continue tomando um comprimido por dia, de preferência na mesma hora, até terminar os 21 comprimidos da cartela.

: Depende da usuária, requer motivação e uso diário; esquecimento aumenta índice de falha; pode postergar o retorno à fertilidade; são possíveis efeitos colaterais; sem proteção para ITG e outras DST/AIDS.

voltar

 

 

 

 

 

 


ANTICONCEPÇÃO INJETÁVEL

São injeções com hormônios mensais (estrogênios e progesterona) ou trimensais (somente progesterona com suspensão da menstruação). Em sua composição podemos ter apenas o progestagênio ou em associação de estrogênio.

Mensais - este método apresenta alta eficácia, não havendo o risco de esquecer tomadas, além de sua absorção não depender do trato gastrintestinal. Podem ocorrer alterações na periodicidade do sangramento, particularmente o encurtamento dos intervalos. Aliás, estas alterações são responsáveis pela descontinuação do método. Além da irregularidade menstrual, podem ocorrer queixas de cefaléias, náuseas e irritabilidade. Suas principais indicações são para mulheres que se esquecem de tomar pílula, doenças psiquiátricas ou quando há intolerância gastrintestinal ao AHCO. Também podem ser indicados para mulheres com anemia falciforme, pois previne a anemia e o aparecimento de hemácias anormais. É aconselhável que se espere um bom tempo após a suspensão do uso para se engravidar.

Trimensais - seu principal mecanismo de ação baseia-se na supressão do pico de LH, impedindo a maturação folicular e a ovulação. Além desse efeito não ovulatório principal, o muco cervical torna-se espesso, passando a ser hostil aos espermatozóides. O endométrio também é afetado, tornando-se hipotrófico pela menor vascularização. Apesar de altamente eficaz, este método deve ser evitado na adolescência, pois a reversibilidade é demorada, além do mais causa irregularidade menstrual e, é comum, um ganho de peso de 2, 3 Kg durante o primeiro ano de uso. Poderia ser indicado para adolescentes com deficiência mental, freqüência alvo de relações sexuais forçadas (estupro). Eventualmente outra indicação na adolescência seria para aquelas com anemia falciforme. Da mesma forma que para os injetáveis mensais, não se deve massagear ou colocar bolsa d'água quente no local da injeção. A primeira dose deve ser administrada até o 7º dia do ciclo; se feita a partir do 8º dia, um método complementar deve ser recomendado durante sete dias após a injeção, até que o AMP-D exerça seu efeito contraceptivo.
Suas eficácias são de 99,5% se usada corretamente.

voltar

 

 

 

 

 



Anticoncepção vaginal

Ele é introduzido na vagina e segue os mesmos princípios das pílulas orais. É alternativa para mulheres que enjoam demais com pílulas orais. Pode ter dificuldade de colocação por parte de mulheres que não se adaptam aos anticoncepcionais hormonais por disposição gástrica. As contra-indicações são as mesmas das pílulas e da camisinha feminina. Sua eficácia é de 99%. A mesma das outras pílulas, segundo o laboratório responsável.

Recomenda-se cuidados higiênicos à paciente, devendo sempre lavar bem as mãos antes de manipular a vagina. É importante a paciente estar bem esclarecida, havendo manipulado anteriormente e reconhecendo a abertura vaginal, para com os dedos afastar os pequenos lábios e fazer a colocação do comprimido dentro da vagina. A exemplo dos anticoncepcionais orais deve ser administrado diariamente no mesmo horário (Ex.: após o café da manhã).

voltar

 

 

 

 

 



ANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIA (PÍLULA DO "DIA SEGUINTE")

 

Também denominada de "pós-coito". Na realidade não é um método contraceptivo, mas sim um recurso que deve ser utilizado na maneira eventual após ter ocorrido uma relação sexual dentro do período fértil, sem proteção alguma. É particularmente útil para aquelas relações sexuais não planejadas e desprotegidas, tão comuns na adolescência, em casos de violação sexual ou na presunção de falha de outro método contraceptivo (como por exemplo o rompimento da camisinha).
As náuseas e os vômitos são efeitos colaterais mais comuns do regime de Yuzpe que, no entanto, podem ser minimizados com antieméticos. É importante esclarecer a possibilidade de serem necessárias tomadas adicionais, caso os vômitos eliminem os comprimidos já ingeridos.
A anticoncepção de emergência com hormônios pode provocar antecipação do fluxo menstrual, sendo comuns alterações no padrão de sangramento. Em casos de atraso menstrual ou persistência do sangramento anormal deve-se afastar a possibilidade de gravidez.
O risco de engravidar depende do dia do ciclo menstrual no qual a mulher estava na ocasião das relações sexuais. Durante os dias mais férteis, a meio caminho entre dois períodos menstruais, o risco pode chegar a 30%. Usando o método anticoncepcional de emergência, o risco de gravidez é reduzido por pelo menos 75%. Por exemplo, um risco de 30% seria reduzido a cerca de 8%. No entanto vale lembrar que o uso contínuo e regular da pílula é muito mais eficaz.

voltar